Total de visualizações de página

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Discriminação ao paciente psiquiátrico - texto em prosa - Marilia Alencar

Discriminação ao paciente psiquiátrico

Tenho andado cansada do preconceito da sociedade ao doente mental. Em pleno século 21, a comunidade ainda não tem a quem recorrer ajuda quando se encontra com seus familiares em surto psiquiátrico.

Ainda se pensa duas vezes antes de se procurar um psiquiatra. Ainda se prefere deixar o doente mental em surto em casa, escondido da sociedade e não medicado a interná-lo em um hospital psiquiátrico.

Por que será? Será que nossos hospitais não apresentam condições de retirar o doente do surto? Ou é puro medo de se carregar para o resto da vida o rótulo de “doido” e de ser discriminado no seu emprego? Até quando as famílias vão preferir que seus doentes continuem doentes em suas casas a receberem o tratamento adequado?

Às vezes, quando o familiar finalmente compreende a importância da internação psiquiátrica, os quatro hospitais da área da cidade de Maceió, Alagoas se recusam a hospitalizar o doente (por falta de leito disponível ou por ser um usuário de álcool ou drogas ilícitas). Ou, ainda, a própria SAMU – Serviço de Atendimento Médico de Urgência recusa-se a ir buscar o paciente em seu domicílio dizendo não ser função do órgão. E de quem é esta função? A urgência médica não inclui a urgência psiquiátrica? A Psiquiatria não seria uma especialidade médica?

Sim. A Psiquiatria é e sempre continuará sendo uma especialidade médica. E como todas na Medicina, também há situações de urgência e emergência (como as tentativas de suicídio, quadros de agitação psicomotora e heteroagressividade, quadros de delirium, síndrome de abstinência do álcool ou outras drogas ilícitas).

O único problema é que o paciente psiquiátrico ainda é discriminado na sociedade. Por ele mesmo, por sua família, pela comunidade, e o pior, pela própria classe médica não psiquiátrica e pelo pessoal da área da saúde.


Maceió-AL, 16.01.2011.
Escrito por Marília Rodrigues Cavalcanti de Alencar Marinho – médica psiquiatra de Maceió – AL
mariliarcalencar@hotmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário